Mensagens

A mostrar mensagens de Outubro, 2003

O sr.

Insurge-se hoje no jornal Público, Eduardo Prado Coelho, sobre a forma de tratamento das pessoas em tribunal, a partir da recente entrevista de Paulo Pedroso à revista Pública, onde se dá conta que durante o seu interrogatório, o juiz Rui Teixeira o tratou "apenas" por senhor Paulo, e não por Dr. Paulo Pedroso.
Já em tempo este juiz foi atacado porque andava de calça e camisa de ganga, entenda-se por roupa desportiva, durante o seu trabalho, sem recorrer ao clássico fato e gravata, que eventualmente só utilizaria nas audiências, além da tradicional toga.
O senhor EPC (se calhar deveria escrever sempre Dr. Eduardo Prado Coelho) parece que não andou por este mundo, e em especial em França, onde toda a gente é tratado "apenas" por Monsieur ou Madame, sem se fazer qualquer referência aos graus académicos. E isso não os impede de serem tão bons ou melhores que nós.
Por acaso alguém por aqui sabe qual foi a formação académica de François Miterrand, ou a do Valéry Giscard…
E esta do Rui:
Se a Dr.ª Ana Gomes tivesse um blog não precisava de andar a esforçar tanto as cordas vocais
Acho que temos de patrocinar a criação de blogs por todos os político-mediáticos que precisam de protagonismo. Não pode ficar tudo apenas para o Pacheco Pereira.
Não tenho dúvidas sobre a capacidade criativa de uns blogueiros. Ora vejam lá esta opinião do Trenguices
Não haverá ainda tempo para construir um estádio de futebol em Bragança?
Se marcassem lá todos os jogos da Inglaterra, o Euro 004 seria um sucesso turístico-comercial.


Ainda bem que há alguém que vai rindo de tudo e de todos.
ajp

25 anos é muito tempo (2)

Recebi alguns comentários ao texto anterior sobre este assunto. A favor e contra. Eis dois exemplos:

Estou inteiramente de acordo com a tua opinião! Tenho pena de dizer isto,
mas parece que a Igreja continua um bocado "quadrada"! Se a "manutenção"
dos Papas, antigamente devia ser até à morte, hoje em dia há que pensar de
outra forma, uma vez que é evidente o estado de degradação de João Paulo II. FS


Não se pode confundir a doença do Papa com aquilo que ele representou para o Mundo e a Igreja, nestes últimos 25 anos. JB

São talvez visões complementares de uma mesma situação.
O papel determinante que João Paulo II desempenhou para o queda dos regimes anquilosados do Leste da Europa e o desanuviamento mundial, assim como a intransigente defesa da Paz, e a promoção do Homem, são de facto algo que muito marcou os últimos 25 anos.
É certo que na condução da Igreja, se continuaram, na minha opinião, a cometer muitos erros, que espero, mais tarde outros Papas venham a pedi…

Os MRPP´s da nossa política

Estamos condenados a aturá-los.
Cerca de 30 anos após os tempos áureos do MRPP nas escolas, nas fábricas e nas ruas de Portugal, aí os temos de forma pujante na nossa política.
Desde que Durão Barroso chegou ao lugar de primeiro-ministro, tem sido um corropio a procura de protagonismo dos ex-MRPP's.
No poder judicial tivemos Maria José Morgado e Saldanha Sanches, que começaram a corroer o poder laranja, ainda antes do escândalo da Casa Pia.
Mas o PS não podia ficar para trás. E aí está Ana Gomes, à perna com o Governo e também com o José Lamego, do seu próprio partido.
A sua escola de formação inspirada em Mao Tsé Tung deu frutos tendo transportado para esta época, uma versão moderna daquilo que então se chamava a agit prop, que era muito frequente nas cantinas e nas associações de estudantes. Os da minha geração lembram-se bem das agitações que eram então provocadas nas RGA's (Reuniões Gerais de Alunos) àcerca da libertação de presos do MRPP (como Saldanha Sanches, Arnaldo M…

25 anos é muito tempo

Em 25 anos muita coisa mudou.
Pelo que me toca, nestes 25 anos, passei por muitas coisas, e muitas passaram por mim.
Já tive certos entusiasmos, pontos de vista e ilusões, que passaram para outras hipóteses de ideais, adaptadas ao correr dos tempos.
Ou seja o tempo mudou e como dizia o poeta, Mudam-se os tempos, Mudam-se as vontades.
É claro, hoje em dia para todos nós, que estas mesmas mudanças atingem naturalmente todos os mortais. E também João Paulo II.
Sabemos que os Superhomens se ficaram pela banda desenhada e pelo cinema.
Mesmo a ideia da infalibilidade está demasiado difusa, desde que a Igreja passou a pedir desculpa ao Mundo pelos seus erros no passado. E estou certo disso, irá pedir desculpa, mais tarde, pelos seus erros de agora.
A pressa e a necessidade de mudança neste Mundo que a Igreja deve acompanhar, exigem outras mudanças.
Daí que pense que este Papa deveria resignar e promover a sua substituição por quem possa responder aos novos desafios.
Insistir na manutenção, …

O tempo que falta em Alvalade

Numa torre junto ao novo estádio de Alvalade, foi sendo afixado o numero dias que faltavam para a sua inauguração.
E chegou o dia, e estreou-se o dito.
Depois veio o problema da relva, mas isso são outras histórias.
A seguir contabilizou-se o número de dias para a inauguração das 16 novas salas de cinema.
E veio a Caterine Deneuve, e começaram por lá as fitas.

Agora os numeros estão a zero. Ou seja três zeros.
Porque não começar a contabilizar o numero de dias que faltam para que o Sporting seja campeão?
ajp

Declaração

Veio publicada no jornal Público esta declaração:
Jorge Girão afirma e reafirma que ama Isabel M. uma pessoa excepcional e maravilhosa, a quem pede humildemente desculpa e perdão pela dor e sofrimento que lhe infligiu com o seu comportamento indigno o qual se compromete a emendar.

Que amor intenso foi este, que só se manterá se se gastar uns euros a publicar esta declaração, que só os próprios e talvez os familiares venham a entender?
Isto não seria melhor com um jantar à luz das velas?
Ou será uma nova moda das praxes deste ano?

A coisa parece que passou por momentos difíceis. Como não sabemos mais do que ali foi publicado, resta-nos imaginar o que teria acontecido. Eventualmente uma facadinha no matrimónio.
Sugiro aos protagonistas desta história que a contem a uma televisão tablóide, assim terão oportunidade de entrar em directo num qualquer noticiário.
ajp

Eleições e Referendos

A propósito da discussão sobre a oportunidade de fazer coincidir as próximas eleições europeias com um referendo sobre a Europa, deu azo a que alguns comentadores e políticos tenham defendido coisas completamente opostas. Dá-me a impressão qque por vezes o que se pretende é condicionar os eleitores às conveniências políticas do momento. Se se admite que os resultados não venham a ser os mais adequados, então é melhor arranjar as coisas de outra maneira. Creio que tudo não passa de uma forma de subestimar a capacidade de decisão dos eleitores.
Ou seja, se eles não votam como nós queremos o melhor é condicionar a escolha.
Era bom que se olhasse para outras experiências, por esse mundo fora, onde em qualquer momento, o poder formula as perguntas aos eleitores que são necessárias para as decisões do futuro dos países.
ajp

Farmácias Católicas

A notícia anda por aí, e no Público já passaram pelo menos um editorial e uma crónica.
Porque será que alguns católicos, inseridos em movimentos, procuram condicionar artificialmente o modo de vida dos outros? E só se lembram dos medicamentos relacionados com a sexualidade...
ajp

Ministras

Sai um ministro (homem), entra uma ministra (mulher).
Qual vai ser o próximo a cair?
O ideal seria a substituição total dos ministros-homens, até chegarmos a um Durão Barroso, completamente cercado por mulheres.
Então talvez a governação fosse diferente, pramelhor claro.
ajp

O fim da era João Paulo II

A discussão deste tema voltou à ribalta após o anúncio sobre o agravar do estado de saúde do Papa.
Não faz sentido este estado de coisas, por mais que se invoque a semelhança deste sofrimento de João Paulo II com o de Jesus Cristo.
Este arrastar da doença, em episódios mediáticos, creio que não serve de nada à Igreja.
Haverá, concerteza, vontade de mudança, que passará pela escolha de uma outra figura que lidere a Igreja, passando pelo inaugurar de uma nova prática, a da resignação papal.
ajp

Praça da Alegria

A RTP 1, ao publicitar um aniversário deste programa, não escondeu o protagonista dos primeiros anos, Manuel Luís Goucha, agora a trabalhar na concorrência.
Sempre é um contraponto à moda actual de reescrever a história, como vimos recentemente a propósito do filme sobre o CDS, onde a actual direcção, apesar de ser herdeira de um partido, resolveu apagar as figuras incómodas de Freitas do Amaral e de Lucas Pires.
Quando se quer renunciar à herança o melhor seria fundar um partido novo. Outros nomes, outras figuras.
Mas não foi assim que o entenderam os responsáveis actuais do CDS. Depois não se admirem das comparações com a manipulação da história que se faziam na antiga URSS.
ajp

Crónicas de Angola (III): Igrejas e Educação

Igrejas incríveis; a sério.
Com pessoas que cá para mim são santas, ou heroínas, ou ambas as coisas.

Nas missas/celebrações sente-se que está ali muito do melhor, nas pessoas de
Angola.
Pressentir os seus esforços invisíveis, sentir a sua determinação e alegria -
no meio desta confusão de injustiças - cria um clima que eu não aguento; choro,
mesmo (ando a chegar à conclusão que, em geral, os "estrangeiros" que aqui
chegam quanto mais choram menos adoecem, e vice-versa...).

E há quem sobressaia deste conjunto de memórias-impressões.
A Irmã Rosa, por exemplo.
Tem sessenta e poucos anos de vida, quarenta de Angola, olhos azuis cheios de
luz; é espanhola de Salamanca e está à frente de uma missão, no Huambo.
Um internato e uma grande escola, da pré ao secundário, devolvidos à Igreja
católica.
Três mil alunos no espaço para metade, mas num oásis: de calma, ordem, plantas,
algum material, muito respeito, recuperação e melhoramento
constantes das instalações e condições de trabal…