Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2003

TSF só em 4 minutos

Como é que é possível ter a TSF a dar notícias em apenas 4 minutos?
Com esse limite pouco mais dá do que para ouvir os flashes da agência Lusa.
Será que já não vamos ter antes das oito da manhã, um ministro a ser acordado para nos dar a sua reacção a uma qualquer notícia?
Esta mania de reduzir o tempo para a informação, e que era a grande diferença da TSF, o mais certo é levar-nos, a mais uma rádio de playlists sem nada que a diferencie de outras que por aí andam no éter.
ajp

UMTS

Os jornais escrevem hoje que há um novo pedido dos operadores para mais uma vez se dilatar o prazo para o arranque da terceira geração de telemóveis, o UMTS.
Isto já parece a equipa do Benfica, no próximo ano é que é. Já lá vai o tempo em que esta conversa era apenas dos sportinguistas.
Ao fim deste tempo de promessas, que se não podem cumprir, não seria melhor acabar com este adiar de algo que, o mais certo, é que nunca virá a existir?
Lembram-se do anúncio que passou pela TV dando conta dos milhares de coisas que poderíamos fazer na vida com a 3ª geração de telemóveis?
Ver os golos do Figo, as notas de acesso à Universidade, todos os restaurantes que têm bacalhau na ementa, os livros ainda não lidos pelo Pacheco Pereira , as previsões da Maya para a Liga de Futebol de 2010, etc.
Será que queremos ter tudo isso disponível num pequeníssimo aparelho, que agora quase que se perde no forro do casaco se houver um bolso descosido?
É que se tudo nos vier ter à mão, o que faremos com tanto …

Desfasamento em relação ao Meridiano da Vida

Por vezes chegam-nos certas definições, que por serem mais ou menos elaboradas até se podem confundir com qualquer tipo de frases feitas.
Esta do Desfasamento em relação ao Meridiano da Vida, vem a propósito de uma conversa que tive com amigos meus, ao partilharmos as conversas que vamos tendo com os nossos os filhos. Especialmente na fase em que estes ao quererem tanto procurar aquilo que mais lhes interessa na vida, se esquecem com facilidade de que, mesmo para poderem atingir objectivos, prosseguir os seus ideais, é quase sempre necessário ter os pés bem assentes na Terra.
É certo que já todos ouvimos falar de quem, mesmo sem os ter bem assentes, vivendo permanentemente com a cabeça no ar, consegue atingir níveis invejáveis.
Mas partindo do facto de que a nossa vida é sempre guiada pelas heranças culturais que nos deixaram os nossos antepassados, pelo país onde nascemos e vivemos, pela religião que nos forma e influencia, é por vezes muito difícil compatibilizar esta situação, com…

S. Tomé

E a indefinição continua.
Discute-se, discute-se, talvez a repartição das futuras riquezas. A maldição do petróleo em África, continuará a tornar ainda mais pobre os países que aí depositam a esperança de um futuro promissor. Mas a experiência conhecida de outros países com a mesma maldição como Angola ou a Nigéria não auguram nada de bom a quem se prepara para se juntar à OPEP. E o exemplo recente do que foi a experiência de produtor de petróleo para os iraquianos só vem dar razão à ideia de que os países que fazem depender o seu futuro daquilo que se tira do fundo da terra ou do mar e que aí não chegou através de qualquer plantação, é como ter um mar cheio de peixes, a que por falta de iniciativa e de conhecimento não os conseguimos aproveitar para a alimentação.
E um país como S. Tomé e Princípe teria necessidade de ter um exército? Não lhe bastava uma polícia?
ajp

Assim

Este advérbio converteu-se na coqueluche do português. Não há quem o não utilize a propósito e a despropósito de tudo. Parece que já se encontra na língua portuguesa desde 1192, mas creio que nunca como agora, tem tido uma utilização tão intensa.
“É assim…”
“porque é assim” ou abreviado “poqu’é assim”
“eu disse-lhe assim”
“Portanto, é assim…”
“O que eu queria dizer era assim”
“Acho que é assim…”
“O que é que se passou? É assim…”


Será, que por influência dos meios audiovisuais teremos de utilizar assim, para o início de tudo o que dizemos?
Esta muleta da linguagem, repetida até à exaustão, em qualquer discurso directo, faz lembrar a introdução na linguagem do português corrente, logo após o 25 de Abril 74 o “”. Nessa altura, era um bordão que acompanhava também quase todas as conversas.
Lembro-me ainda da utilização do “início” ou “fim de citação”, quando se pretendia deixar claro que o que tinha sido dito não era da nossa lavra mas sim uma citação de algo dito ou escrito por outra p…

Começou a Super Liga!

Não há dúvida, já começou a Super Liga!
Anda ainda o Sporting a comprar um bom jogador para lhe tomar conta da baliza, quando afinal a futebolada já começou, e já tem campeão anunciado.
Depois de, no ano passado, o José Mourinho ter anunciado em primeira-mão de que o FC do Porto seria campeão, não dando qualquer hipótese aos adversários, este ano as previsões para esta Super Liga estão dependentes do pagamento das propinas de um colégio particular no Porto. É aqui que as coisas se vão decidir.
Antigamente dizia-se (claro que era uma cabala, talvez mesmo uma calúnia) que o grande mérito do FCP, e fundamentalmente do seu presidente, era a aquisição atempada de quem dirige os jogos e não o de obter grandes reforços para o relvado.
Esta época foi inaugurada uma nova forma de ganhar campeonatos, algumas semanas antes do seu início oficial.
Basta contratar a ex-mulher (ou a futura ex-mulher) do chefe do adversário principal e assim, conhecendo na intimidade como se ganhou o penta, avançar…

A minha Praia

A praia onde estive este fim-de-semana é muito boa.
Quando o Sol aparece, e o vento fica em casa, e o mar, quase sempre frio, bate com força, é uma maravilha. É uma praia muito boa, que comecei a gostar desde os meus treze anos. O barulho do mar, das ondas fortes, nunca para.
Como o vento não veio, foi possível ler os jornais do fim-de-semana, sem perder algumas folhas pela praia.
Mas o mais importante foi ver, que na descriminação dos locais para onde irão de férias os nossos colunáveis, esta praia não consta. Ou seja, eu e os meus amigos e familiares temos a sorte de frequentar uma praia que é à prova das revistas cor-de-rosa, dos inquéritos idiotas de Verão. Querem que vos diga onde fica esta praia? É a Praia do Pisão (mas não digam nada a ninguém, 'tá bem?…)
ajp

Perguntas à procura de resposta

Há algumas coisas que me intrigam e para as quais não tenho resposta.
A propósito do golpe de estado de S. Tomé, veio à baila a questão do fecho do aeroporto, que parece que é uma coisa que acontece sempre que há qualquer revolução.
Mas como é que se fecha um aeroporto?
Coloca-se uma corrente com cadeado a fechar a pista? Correm-se as persianas da torre de controle? Abandona-se o aeroporto e o último apaga as luzes?
ajp

S. Tomé

Ver para crer como em S. Tomé...
Vê-se e não se percebe. A simples ameaça de que o petróleo poderia mudar, pramelhor, o rumo da vida dos sãotomenses, que como se sabe, em número, dariam para encher os dois novos estádios de futebol de Lisboa, ou em medidas antigas, o antigo estádio da Luz em dia de enchente, largou na incerteza e talvez num caos, aquilo que poderia ter sido um pequeno paraíso calmo e próspero. Poderia assim fugir do destino trágico e sem visão, que o sistema colonial o foi condenando. No romance Equador, escrito pelo Miguel Sousa Tavares, pode-se ter uma aproximação do que foram os primórdios desta colonização exemplar portuguesa, e das formas absurdas que desde os tempos finais da monarquia e até meados da década de '50, ajudaram a conduzir a esta situação.
S. Tomé e Príncipe, de alguma forma vinha desenvolvendo um sistema democrático, pluripartidário, apoiado pelas organizações internacionais, que alimentavam a esperança de uns tempos melhores. Em que a riqueza …

Afinal ela não se divorcia

Ainda bem. Fico mais descansado.
Segundo uma revista da socialite, afinal a Alexandra Lencastre não se vai divorciar. A coisa pode resolver-se a contento dos dois, com umas férias intensas, mas sozinhos. E com muita conversa, e o que mais lhes fizer falta, a coisa pode recompor-se. E isto seria bom para todos. A actriz continuava a bem representar e o promotor de programas de TV, continuará a encher as nossas noites televisivas.
O problema maior será se a comunicação social resolve estar presente e dar-nos a continuação desta telenovela da vida real, quem sabe se em directo, num qualquer Big Brother, que decerto destronará qualquer concorrência das televisões. Ou será que isto não passa de um golpe publicitário da Endemol para vender um novo produto?
Ameace divorciar-se, que nós promoveremos a reconciliação!
ajp

Petróleo em S. Tomé

Chegou o petróleo a S. Tomé e Príncipe!
País pequeno e tradicionalmente pobre, dependente da cultura do cacau, não pode ter petróleo. Ou seja, com uma democracia débil, ter petróleo, será o fim de uma vida em paz. Daí este Golpe de Estado. E a dependência das culturas agrícolas passará para a completa dependência deste país, das grandes empresas exploradoras do fundo dos mares.
E antes que a riqueza chegue é preciso repor a linha de partida para a grande corrida ao ouro negro. É a vida,... que dificilmente será pramelhor.
ajp

Jet7

Sobre o Jet7 e o voyeurismo da nossa sociedade, tão oca quanto ávida do que de exterior a possa, supostamente, preencher, aqui fica apenas uma nota: a de que, felizmente, as histórias cor-de-rosa representam apenas e tão só uma minoria da população. Já repararam o que seria se tivéssemos que viver todos sujeitos a máquinas fotográficas, écrans, luzes e alaridos?
É tão confortante partilhar apenas na intimidade dos que nos são queridos as nossas proezas e façanhas, por pequenas que sejam, mas com o sabor da discreta cumplicidade dos nossos íntimos (e) amigos...
CC

Tudo sobre o divórcio da Alexandra Lencastre...

Este é um dos títulos sensacionalistas das revistas do Jet [qualquer número] desta semana.
São alguns dos modelos de vida que nos são expostos, de uma forma alegre, talvez até com patrocínios.
Estas revistas cor-de-rosa, e os programas de TV equivalentes, passam o tempo a mostrar-nos modelos de pessoas, ricas e bonitas, e se são bonitas têm de ser ricas... que fazem as delícias de qualquer homem ou mulher.
Cá no meu interior (se calhar sem dar mostras disso exteriormente) como eu gostaria de ser uma dessas pessoas. Não só porque passam o tempo em festas, fazem filmes ou telenovelas, e parece que não têm mais nenhuma coisa com que se ralar.
É certo que passam o tempo a casar-se e a descasar-se... quem o não tiver feito pelo menos meia dúzia de vezes até parece que não tem direito a aparecer.
Por outro lado, têm um tempo de namoro muito pequeno, porque mudam de parceiro quase como se muda a roupa de uma estação.
Basta acompanhar as capas de um ano destas revistas para nos darmos conta…

Compay Segundo

Há dias, ou noites, especialmente as noites mágicas, que nos marcam para a vida. Foi isso mesmo que me aconteceu, e mais alguns amigos, numa noite em Lisboa a ouvir Compay Segundo.
Depois de conhecer o disco, Buena Vista Social Club e o filme do Wim Wenders, com o mesmo nome, ficamos com a ideia do tempo que foi perdido pelo mundo, em especial pelos que gostam de boa música, pelo facto de não nos ter chegado mais cedo notícias daquelas músicas.
E quantos músicos e artistas mais andarão por aí, apenas conhecidos de alguns, sem que a sua qualidade chegue ao grande público?
Hoje chegou a notícia da morte de Compay Segundo.
O que nos vale é que a sua música e a sua memória estão para além da morte!
ajp

0 Rh+

Até que enfim que alguém escreve, no texto abaixo, sobre esta praga de pedidos de sangue que andam a poluir as caixas de correio de toda a gente: E creio que sem qualquer resultado. Incrivelmente só pedem sangue que muito pouca gente tem.
De 6 em 6 meses, mais ou menos, dou um pouco do meu sangue, e espero que a alguém lhe seja útil.
Um 0 Rh+, com meio litro sempre à vossa disposição.
ajp

Pedidos de Sangue

Têm-me chegado à caixa de correio vários pedidos de dádiva de sangue.

Essa é talvez das maiores dádivas que podemos fazer em prol dos que dele venham a necessitar nas mais variadas situações da vida ou no limiar da morte. É essa a razão que me leva a ser dadora há alguns anos, embora nem sempre seja muito fácil os técnicos encontrarem as minhas veias. No entanto, apesar de por vezes ser uma verdadeira odisseia, ainda não desisti, movida pela convicção de que alguém, no anonimato dos hospitais, poderá um dia vir a usufruir daqueles poucos centímetros cúbicos de vida em estado líquido.

Por outro lado, o anonimato tanto do dador como do receptor é algo que me atrai e convida a partilhar com os demais um pouco de saúde e vida, certa de não conhecer o rosto nem ser por isso alvo de agradecimentos, dado que considero tal gesto tão natural quanto gratuito.
Eis, pois, algumas razões pelas quais não só continuo a insistir em dar sangue sempre que a minha compleição física e estado de saúde o …

Manuais Escolares

Findo um ano lectivo, a preparação do seguinte é imediata.
Nesse sentido, entre as demais actividades não lectivas, uma delas é a afixação nas escolas das listas de manuais adoptados para cada disciplina e nível de escolaridade no ano lectivo seguinte, por forma a serem consultadas com a devida antecedência por alunos e respectivos encarregados de educação.
Por outras palavras, não é necessário esperar pela "rentrée" para tomar conhecimento dos livros a adquirir, sobrecarregando nessa as livrarias e/ou papelarias ou recorrendo a amigos e conhecidos, possíveis detentores desses manuais em excesso e desejosos de esvaziar as suas prateleiras com aqueles exemplares que, apesar de nunca terem sido abertos nem folheados, não se afiguram úteis naquele ano ou por anos consecutivos ao trabalho em mãos. Este é o caso de muitos professores que vão acumulando manuais e manuais, na esperança de que lhes venham a ser úteis algum dia ou que lhes sejam eventualmente solicitados por quem de…

Ainda os Filhos

Em resposta ao blog sobre os filhos, fala um dos herdeiros do autor deste blog.
Isto de ser filho é sinónimo de super-héroi, senão vejamos, temos muitos poderes, mas estes são condicionados por um espécie de "kriptonite" designada de pais; conseguimos fazer mais de 5 coisas ao mesmo tempo : jogar computador, ouvir música, ver televisão, falar ao telemóvel e ainda ter um livro aberto (e só aberto) de um cadeira qq; se o telefone fosse o "bat-sinal" estavamos a ser constantemente chamados; vamos a sítios à noite que segundo os pais é pior do que enfrentar o Mike Tyson no ringue: Kremlin, Bairro Alto, qq estrada em Portugal, etc. Em suma somos os maiores. Um geração não tão rasca como se supõe, mas sem dúvida aquela que vai ser responsável pelas vossas reformas quando estiveram na fase de "cota" mesmo. Divirtam-se.
Boita Júnior

Redescobrir o Teatro

Domingo, dia 6, fui ver o "Copenhaga". A minha filha mais velha "engatou-me" porque morria por ir ver a peça. É fantástico redescobrir o Teatro (já lá não ia há uns anitos). A descoberta científica também é feita pelos humores, manias, virtudes e defeitos dos cientistas. Os dramas pessoais que enfrentam, as opções que são forçados a tomar, os preconceitos de quem está de fora. Ou de quem é vencedor da guerra, como no caso do Heisenberg, que chefiou o programa nuclear alemão durante a II Guerra Mundial, tomou opções científicas (pelos vistos por limitação da própria física alemã da época, expurgada dos melhores génios, que eram judeus) que impediram a bomba atómica no III Reich. Os americanos, vencedores, e todos os físicos que participaram activa e eficazmente no programa Manhattan (incluindo o seu ex-amigo de longa data Niels Bohr, que contribuiu com o valor da massa crítica para a reacção em cadeia), o desprezaram. E afinal apenas porque estava do lado errado na …

Ainda sobre Fátima

Recebi de um amigo este comentário sobre o novo Município de Fátima:

Fátima, na época das aparições, era no "cu de Judas". Mesmo assim deu no que deu (e há 50, 60 anos, dia 13 em Fátima era dia de carrinhos de feira e carrossel!!! ). A qualidade urbanística é do piorio. Aliás, as instituições religiosas durante grande parte do sec. XX foram responsáveis por grandes pirosices arquitectónicas, e isso nota-se nos edifícios das congregações religiosas e na própria qualidade (má) da arquitectura da Basílica.
Também os acessos são mausitos (eram, porque a auto-estrada Lisboa-Porto foi obrigada a passar lá à porta, dando cabo de ecossistemas na Serra de Aire). A este respeito, porque nunca se fez um ramal de comboio para lá (a estação dita de Fátima fica num sítio impossível) ? Era de certeza rentável e teria limitado a pressão rodoviária. E a construção para habitação? Há blocos de apartamentos que até há 3-4 anos tinham os esgotos a drenar directamente para algares!! Para não fa…

Os filhos

Os filhos, qualquer que seja a sua idade, são o que aconchega o espírito aos pais. Estes passam o tempo a procurar o melhor para os filhos, a tentar, que eles tenham a melhor educação possível. Que, apesar de terem a sua própria identidade, sendo eles próprios, e seguindo as suas próprias pisadas, possam também reflectir aquilo que os pais fizeram por eles. É isto que tenho encontrado à minha volta, e em muitos dos meus amigos.
Recentemente tive oportunidade de festejar isto mesmo e isso dá para encarar um pramelhor futuro.
ajp

Amigos nos Blogs

À medida que vamos falando destes assuntos, vão aparecendo blogs de amigos que também se sentiram tentados a embarcar nesta aventura da blogosfera. Não sendo profissionais da escrita ou do pensamento, querem apenas deixar na rede ideias soltas escritas ao correr da pena, opiniões sobre filmes e música por quem os estuda e pratica. São também opções para quem quer, pramelhor viver.
ajp

MOMENTOS MÁGICOS

Há momentos mágicos, que quase sempre se passam à noite, e que nos ficam para sempre na memória. Foi o que nos aconteceu ontem, num concerto de piano de Jorge Moyano, na sala dos Cisnes do Palácio Nacional de Sintra. Esta sala, magnificamente decorada com moveis e azulejos em xadrez, tem pintados no tecto 27 Cisnes.
Integrado no Festival de Sintra, as peças executadas neste concerto pelo pianista foram compostas por Chopin, cerca de 170 anos antes, e mantém uma actualidade que nos toca. Ou seja, aquilo que o compositor imaginou e escreveu numa pauta de música e com a vigorosa mas também sentida interpretação do Jorge Moyano, deu origem a uma noite inesquecível para as cerca de 300 pessoas que aí tiveram oportunidade de ouvir boa música, enquadrada num ambiente extraordinário, fazendo-nos imaginar outros serões que terão tido lugar, naquela mesma sala, desde há centenas de anos atrás. Os ouvintes e também participantes, de todas as idades, incluindo alguns casais grávidos que assim ini…

NÃO SOMOS OBRIGADOS A ACEITAR O MUNDO QUE NOS DÃO

Às vezes pela internet chegam-nos histórias interessantes:

Um rabino pediu a Deus: "Deixa-me ir dar uma espreitadela ao céu e ao inferno." Deus satisfez-lhe o desejo e indicou-lhe como guia o profeta Elias.
O rabino foi então levado para a grande sala. No meio ardia um fogo que aquecia uma panela enorme com um cozinhado que enchia tudo com um aroma de criar água na boca. À roda deste apetitoso manjar estava muita gente. Cada pessoa tinha, na mão, uma colher muito grande, mas estavam todos com muito mau aspecto, esfomeados, macilentos, tristes.
E isto porque as colheres eram maiores do que os braços. Nunca conseguiam levá-los à boca. Tristes e desejosos frente a frente, com os olhos vazios.
O rabino foi então levado a uma outra sala, em tudo igual, a mesma panela enorme com óptimos manjares, muita gente à volta com colheres mais longas do que os braços. No entanto, via-se que era gente alegre, sã, cheia de vida. As conversas e as gargalhadas enchiam o lugar. Devia ser aí o…

FÁTIMA

Hoje no Público o António Marujo, bate forte e feio na falta de qualidade ambiental de Fátima a propósito da prevista criação aí de um novo Município.
É de reforçar esta ideia, e o apoio a esta nova etapa, tendo em conta que Fátima converteu-se numa Albufeira da religião, um espaço que podíamos dizer ser incaracterístico, mas facto é bem característico da mediocridade que rodeia as opções urbanísticas de muitas zonas de Portugal, onde o facto de haver muito turismo acaba por ser contraproducente. Aqueles que nos visitam mereciam melhor tratamento. Daí que é de apoiar esta iniciativa do Parlamento, de modo a dignificar aquele espaço e a proporcionar no futuro um sítio mais agradável e amigável para os seus visitantes. Haverá uma beleza que nos salve?
ajp