Uma questão de Sorte [6]

Uma das vantagens de estar numa enfermaria é poder ver televisão. E se os meus companheiros não estiverem muito interessados até posso escolher o canal. Foi o caso. E assim o melhor é escolher a RTP1, em vez das desgraças da TVI e os escândalos da SIC. Pelo menos é o que me ocorre dizer sobre os lomgos programas da manhã e das tardes.

Por esses dias houve a tragédia da Praia Maria Luísa, em Albufeira. 5 portugueses, com falta de sorte, morreram devido à queda das arribas.
O mais impressionante, naquele dia e seguintes, foi ver as entrevistas a outros portugueses que assumiam o mesmo tipo de riscos, noutras praias, colocando-se à sombra de outras arribas, argumentando que não fazia mal, que não iria acontecer outra vez, e que já lá tinham estado tanta vez e nunca tinha acontecido nada. Que o problema dos que morreram foi a falta de sorte.
Uns dias mais tarde ouvi umas declarações do Pauleta a propósito da falta de sorte da selecção nacional por não marcar golos, que tanta falta fazem para a qualificação para o Mundial na África do Sul. Nunca se referiu à falta de pontaria dos dos nossos jogadores, que quase marcam, mas a bola não entra.

Será que então o nosso grande problema é a permanente falta de sorte?

Comentários

guida disse…
Olá Tozé!Há algum tempo que não deixo uma palavrinha... Como vais para além de estares bom da vista e com paciência...? Ainda estás no hospital ou são 'recuerdos' que nos passas?
Um beijinho com vontade de te ver bom,
margarida

Mensagens populares deste blogue

Os nomes das doenças [21]

A saga parte II