CRÓNICAS DE ANGOLA I

Uma amiga minha, a Rosarinho, voltou a Angola, para aí trabalhar no âmbito de uma ONG (Organização não-Governamental).
Mas quando se regressa, a um país como Angola, há sempre coisas novas a descobrir.
Foi isso que ela me transmitiu e e que a seguir se publica. Cá ficamos à espera de outras crónicas.


Retrato: Criança de-balde

A menina parece ter uns cinco anos. Linda. Muito magra.
Vai a subir, pelo passeio explodido por raízes de árvores e inundado de pessoas. Arrasta a custo um balde grande cheio aparentemente de papeis higiénicos e quejandos, usados.
Um balde que veio com certeza de uma qualquer “casa de banho de senhoras”.
O que raio faz uma catraia tão pequena com uma merda de um balde destes?
Quando chego à interrogação é tarde: há bastante gente nos dois sentidos, a
subida em que ela se esforça e a descida em que vou embalada (mais parecemos
filas opostas de carros); e palpita-me que o espalhafato de uma branca a correr feita tonta atrás dela pode não ser exactamente o que faz falta a esta criança.
Não consigo portanto fazer nada.

Não me sai da cabeça, ela.
Durante este tempo de chegada, instalação provisória na casa de trânsito e
encontros vários.
Durante estas três semanas de recepção super eficiente e simpática, e início de inserção.
Neste bom começo de trabalho e no reencontro com a tropical húmida
envolvência, com Luanda tão melhor e tão pior que há seis anos.
No meio de algumas dificuldades iniciais nas comunicações (ex: este texto,
escrito há mais quinze dias sem que o tenha ainda conseguido enviar… apesar das muitas tentativas!), contrapostas aos incríveis sistemas de comunicação;
e até nos esforços de habituação (“gestão”, poderíamos dizer) aos níveis de
ruído nalgumas situações.

Ela não me sai da cabeça.

Rosário Advirta

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Os nomes das doenças [21]

A saga parte II